O método prioriza a autonomia para desenvolvimento da criança, com reflexões na arquitetura de interiores

Ana Yoshida

Um quarto infantil bem projetado atende todas as necessidades do bebê. Inclusive, aquelas que surgem de acordo com seu crescimento e curiosidade. Essa é uma das prioridades da arquiteta Ana Yoshida, do escritório Ana Yoshida Arquitetura e Interiores, quando ela recebe a missão de trabalhar um ambiente dedicado ao universo infantil.

É em torno disso que gira o método Montessori aplicado à decoração. Desenvolvido por Maria Montessori, é uma estratégia de educação que reflete na arquitetura de interiores do ambiente. Confira, abaixo, as dicas de Ana Yoshida para o desenvolvimento de um quarto infantil baseado no método.

Foque no essencial – Um dos charmes de ambientes montessorianos é como ele passa longe dos excessos. Brinquedos, roupas e móveis cumprem funções cada qual em seu lugar, sem encher completamente o espaço na tão característica baguncinha de criança. Com a quantidade e itens reduzida, o ambiente fica mais agradável e organizado. Além disso, a criança é poupada de estímulos em excesso, podendo focar nos pertences que tem à mão.

Nesse quartinho, um exemplo do bom uso por função é a poltrona de amamentação. Quando não for mais necessária, ela sai de cena, liberando espaço no chão para o menino brincar em frente à estante. Assim, ele terá acesso aos brinquedos nos nichos baixos – o que ajudará a desenvolver sua autonomia. Os demais móveis também tem linhas simples e minimalistas, que valorizam as cores e texturas do local.

Desapegue do berço – A independência do bebê é o principal pilar da linha Montessori, refletindo até na maneira como ele dorme. Os berços restringem o movimento, deixando o pequeno completamente dependente dos pais para dormir, entrar e sair da própria cama. A cama encostada no chão confere a liberdade necessária sobre a vontade de dormir ou não, sem a interferência dos pais.

Decore de acordo com o tamanho da criança – O estilo montessoriano foi solicitado pela mãe para esse quarto desde o início. O espaço é PP, criado com o desafio de ser uma redivisão da sala, que por sua vez foi ampliada. Apesar disso, as medidas são equilibradas – e pensadas exatamente de acordo com as necessidades da mãe e do menino. O armário, por exemplo, foi projetado para abrigar os cabides infantis, deixando-o menos profundo – e, por consequência, economizando espaço. O ajuste foi fundamental para melhorar a circulação e dar a sensação de amplitude.

O que é importante e permitido fica sempre à mão da criança nas prateleiras mais baixas. Assim, ela tem os itens essenciais ao seu universo ao seu alcance. Alguns quadros estão em prateleiras altas, mas muita arte também está à altura dos olhos do bebê, para que não só os pais possam vê-las com clareza.

Fornecedores – Marcenaria: execução Benele Marcenaria / Poltrona: Oppa / Tapete: By Kamy / Décor e cabeça girafa: Coisas da Doris / Décor: Ameise

Contato:
Ana Yoshida Arquitetura e Interiores
(11) 3477-7326
http://www.anayoshida.com.br/